Luana Ponto no Casinha: A ENTREVISTA!

14 Nov 2020

 

         A comida vegana vem ganhando espaço nos estabelecimentos de Brasília e vários restaurantes e cafés com comidas exclusivamente vegans são cada vez mais frequentes na cidade. Esse é o aso do Casinha, um café super aconchegante que está com muitas novidades e uma delas é a sua nova sócia: Luana Ponto!

 

         A Luana já atua no mundo empreendedor faz algum tempo e uma das suas empresas é a loja mais descolada da cidade: a Endossa! Há um tempo se tornou vegana e decidiu com a pandemia fazer lanchos vegans pra vender pela internetê, dando vida à Yaci. Mas como tudo nessa vida não acontece por acaso, em uma das entregas ela teve um papo bem maneiro com a Lívia, dona do Casinha e surgiu aí uma parceria bem massa.

 

         Todos os detalhes você confere NOW!

1.Luana, como surgiu a ideia de trabalhar com comida vegana?

 

        Sou vegana há 3 anos e muita coisa mudou na minha forma de ver a comida e de entender  a  alimentação. Achava que cozinhar era uma imposição do patriarcado, meu pai me falava que eu tinha que aprender a cozinhar com a minha mãe para quando fosse casar, então tinha pavor. Quando fui morar sozinha tive que aprender porque era mais barato e comecei tentar cozinhar  sem carne, e as experiências foram muito melhores do que as com carne, então comecei a me interessar mais e aprender receitas novas.

 

         No final do ano passado me veio uma formiga, uma vontade de trabalhar com comida porque eu estava cozinhando, fazia comidas boas e meus amigos achavam tudo gostoso aí falei “ah, ás vezes eu consigo fazer uns rangos pra vender”. Mas era um projeto para 2021, não seria pra agora, porque eu nunca tinha feito um curso  de gastronomia nem nada. E com certeza o Casinha era a minha inspiração pra ter um café, pois era um lugar que me sentia à vontade e todo mundo que vai lá sente essa energia boa. 

 

         Aí veio a pandemia e eu fiquei sem salário e pensei em como poderia complementar a minha renda  e veio a ideia de oferecer alguns lanches veganos pra vender, pois era o que eu mais sentia falta no início da minha transição para o veganismo.

 

         E aí me inspirei na Yaci, que é uma deusa indígena mãe da natureza, deusa lua -e o meu nome é Luana-, então pensei “Bom, tem tudo a ver”. Ela também é a rainha dos vegetais e muito poderosa. Eu também estou muito interessada na cultura indígena, pois chega de ficar vangloriando os europeus e norte americanos: vamos começar a olhar pra dentro. E assim surgiu a Yaci que me fez muito feliz enquanto existiu.


2. A Yaci foi seu primeiro projeto com comida vegana, você tem planos de voltar com esse projeto um dia?

 

         Ela não voltaria, porque ela meio que pode ser incorporada no Casinha agora, sabe?! A gente está até pensando (eu e a Lívia) em trazer a receita do meu muffin pro Casinha, pois a Lívia já oferece uma opção de muffin de banana, só que o meu é diferente e leva mais banana. E ela já oferece pão de beijo também, que é uma coisa que eu já tinha. Só o creme de avelã e o requeijão que não tem e estamos estudando uma forma de incorporar ao cardápio, porque nós ainda vamos fazer os testes. Mas a Yaci nasceu com essa finalidade, sabe? Pra me reconectar com a Lívia, pra gente se encontrar, pois nos encontramos porque ela pediu um requeijão e não sabia que era meu, não sabia que a Yaci era minha. Agora nos encontramos e juntamos forças. Acredito que foi a deusa lua que fez esse encontro existir.

 

 

 

 

 

3. Ficamos muito felizes em saber da sua entrada na Casinha, amamos o lugar. Como surgiu a ideia de você fazer parte do lugar?

 

         Eu meio que já respondi essa pergunta, mas foi assim: fiz um post indicando (o Casinha), porque sempre gostei de mostrar o trabalho de outras pessoas,  que fazem comida e a alimentação que é feita à base de plantas ela é muito rica, então comecei a divulgar pessoas que são especialistas nisso, tanto que produz conteúdo e é vegano, e lugares legais em Brasília. E aí um desses foi um post divulgando o Casinha, que era o primeiro da lista. A Lívia viu e curtiu, encomendou o requeijão para provar e foi na minha casa buscar. Lá ela viu que era eu e nós conversamos horrores, e a Lívia sugeriu da gente unir forças. Me senti muito lisonjeada e estou até hoje “Is this real life?”, sabe? Eu não acredito que consegui unir forças com uma mulher que  admiro tanto e num lugar que puts, eu adoro. Então estou muito feliz com essa parceria.

 

4. O que podemos esperar dos pratos da Casinha? Vai ter algumas coisas que tinha na Yaci? 

 

         Pois é, a gente está vendo se consegue incorporar o requeijão e creme de avelã, porque tinham algumas variáveis que eu conseguia controlar em casa que talvez não consiga aqui. Mas é isso, se rolar a gente vai colocar. E vocês podem se preparar pra muita coisa nova, diferentona, porque estou trazendo muitas ideias novas pra agregar, como reutilização e reaproveitamento, enfim, estou dando os meus “pitacos” haha e está rolando.

 

5. Como está funcionando o estabelecimento? Vocês estão abertos para o público comer no local?

 

         Estamos abertos sim, de segunda a sexta, das 12hrs às 18hrs, e no sábado com um brunch das 10hrs às 14hrs. E de segunda a sexta a gente tem um PF, o “pêfinho”, que custa R$18 reias com  um cardápio diferente a cada dia. Sempre postamos na segunda o cardápio da semana e estamos tentando também trazer pra cada dia um doce diferente, porque todo dia tem bolinho, mas hoje por exemplo vamos servir um beijinho. Estamos testando receita de donut, de cheesecake. Nós estamos testando muita coisa nova, estamos com muitas ideias, então vai ser babado!

 

         A pessoa pode também comer aqui ou pagar o delivery pra entregar na casa dela, pois temos o cardápio no nosso Instagram, tem um cardápio no gourmet (função do Instagram para refeições). Você pode ir em pedir comida que ele mostra tudo pra você. E também podem pedir pelo site e retirar aqui se ainda não estiver se sentindo muito confortável de sentar em algum lugar. 

 

         Nossa entrega não funciona igual ao Ifood, então não chega instantaneamente na sua casa, mas temos a entrega do almoço que sai 12:30 e às 14h. Também temos uma entrega às 18hrs para quem pede até às 17hrs.

 

 

 

6.  A Luana girl boss é algo que admiramos muito, você sempre está junto de negócios bem fodas. Como tive a oportunidade de ver de perto o seu trabalho e sei das ideias incríveis que você tem e agrega para os negócios que tem sociedade, queria que desse uma dica para as pessoas que estão empreendendo de como ser um pouco Luana nos negócios. haha

 

AAAh, que fofas. É bom saber que somos reconhecidas pelo trabalho que fazemos!

 

         A dica que eu tenha é: faça o que você acredita. Isso não quer dizer que você ama e não tem que trabalhar, porque isso é mentira: vai ter que trabalhar do mesmo jeito.  Mas você trabalha de um jeito diferente, acreditando no que está fazendo. E isso não serve apenas para quem está empreendendo, isso serve também para quando vai trabalhar em algum lugar. Procure trabalhos que você acredita, porque vai fazer o seu trabalho muito bem independente das pessoas que estiverem ao seu lado, do seu colega de trabalho, independente do seu chefe. Se você gosta do seu trabalho e acredita nele vê formas de agregar mais e de se conectar melhor com as pessoas, de fazer uma coisa melhor pro mundo. Se seguir isso a sua vida vai ser muito mais legal do que um trabalho qualquer que você menospreza, que não se sente bem.

 

         Então a dica é essa: faça o que você gosta independente de qualquer coisa e saiba também que você vai trabalhar pra porra, tá? hahaha

 

 

7.E agora queremos uma última dica que não poderia faltar: como dar os primeiros passos para se tornar vegan? 

 

         Nossa, acho que o primeiro passo para o veganismo é se informar, sem dúvida, porque ele acontece de dentro pra fora, então é quando você tem conhecimento que a mudança começa a acontecer. E começa a acontecer de forma leve, pois eu acho que o veganismo não tem que ser algo pesado, não tem que ser um fardo que você carrega, não tem que ser difícil, pelo contrário, ele tem  que ser tão gostoso. É engraçado, eu estava até comentando com a Lívia esses dias que o veganismo tirou da gente um fardo que nem sabia que tinha. A gente estava vivendo a vida sem saber que estava carregando um peso e quando tira você fica tão feliz que começa a falar pra todo mundo, porque você quer que as outras pessoas sintam o que você está sentindo. Eu acho que é isso que eu sinto com o veganismo.



 

Aqui já ficamos morrendo de experimentar as delícias e novidades, e vocês? #PartiuCasinha

 

Local: Casinha Café

Endereço: CLN 411 BLOCO "D" 

Horário de funcionamento:

seg à sexta 12hrs às 18hrs

sábado 10hrs às 14hrs

 


 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Luana Ponto no Casinha: A ENTREVISTA!

Banco de Tecido e Nosso Tecido: a moda girando

FARM e Re-Roupa: um pouco mais sobre moda circular

Moda agênero e sustentabilidade na SPFW

FashRev 2019 tem 33 atividades em Brasília

1/10
Please reload

  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon
  • White Twitter Icon
  • White YouTube Icon

© 2017 por Coletivo BSB no cabide 

AmandLa Gandhi e Elis Uchôa | bsbnocabide@gmail.com | whatsapp: + 55 61 9 9963-3057 | Brasília/DF