• White Facebook Icon
  • White Instagram Icon
  • White Twitter Icon
  • White YouTube Icon

© 2017 por Coletivo BSB no cabide 

AmandLa Gandhi e Elis Uchôa | bsbnocabide@gmail.com | whatsapp: + 55 61 9 9963-3057 | Brasília/DF

Alternativas para substituir o couro: EXISTEM!

17 Jun 2018

             

 

           

            E se ao invés de matarmos animais para fazer nossos acessórios e roupas pegássemos o que sobra das frutas para fazer o couro? Isso mesmo! Tem vários cientistas transformando banana, maçã e o abacaxi em couros legítimos e biodegradáveis. Geralmente, o fim que damos aos resíduos oriundos dessas furtas são o lixo, mas a demanda da moda por mais consciência e sustentabilidade instigou vários cientistas a simularem fibras têxteis que deram origem a novas alternativas para o couro. 

 

             Além dessas, outras alternativas como cortiça vegetal, algodão encerado e até mesmo folhas são usados, e com sucesso, na substituição ao couro animal, que além de causar sofrimento ao animal, ainda polui rios (mais sobre) e é dificilmente degradável quando descartado no meio ambiente.

 

             Abaixo, apresentamos algumas formas mais sustentáveis de usar matérias primas que se assemelham ao couro (e melhores que ele, cof cof) e opções de marcas que já usam esses materiais na produção de seus produtos.

 

1. PIÑATEX E PELLEMELA

 

 

 

             Essas são fibras de origem vegetal, sendo a Piñatex um tecido-não-tecido feito a partir de folhas do abacaxi pela empresa Ananas Anam. Essas folhas não geram nenhum gasto adicional (como a água ou fertilizantes), pois é um subproduto da colheita do abacaxi, diminuindo os resíduos descartados pela colheita da fruta. A ideia teve o apoio dos designers Carmen Hijosa e Ally Capellino, e das empresas Camper e Puma.

 

             Mesmo sendo uma startup nova com muitos desafios pela frente, a Piñatex já possui sete anos de pesquisa e design e tem cada vez mais feito esforços para fornecer aos seus consumidores mais transparência e uma cadeia de fornecimento realmente justa.

 

             A Pellemela, por sua vez, é feita da extração de fibras a partir das cascas de maçã secas para criar um laminado biodegradável, que reduz o desperdício alimentar. Assim, temos um material semelhante ao couro do animal, resistente aos raios UV, com muita durabilidade, sem químicos e respirável. Duas marcas já utilizam esse material para fazer seus produtos, como a Veerah, que produz sapatos; e a Happy Genie, que produz bolsas na Itália. Além disso, também é possível, segundo a empresa The Apple Girl, que também produz um couro feito de maçã, fabricar biojóias e artigos de decoração.

 

 

2. ALGODÃO CERADO

 

 

 

 

               A lona de algodão cerado, primeiramente utilizado na indústria da vela, talvez de todas as opções, seja a mais eco-friendly.  Ele é durável e conhecido por ser muito flexível, durável e resistente à água, então é uma das opções mais atraentes para a substituição ao couro animal, pois ele desenvolve até mesmo as cicatrizes e pátinas como o couro

 

               A sua durabilidade pode ser por uma vida, desde que seja conservada adequadamente as peças com ele produzida, como sapatos, bolsas e jaquetas. Ele também é facilmente encontrado em diversas marcas mais mainstream.

 

 

3. CAMURÇA ECO

 

 

 

        A indústria do curtume é uma das que mais poluem o mundo e são responsáveis pela destruição de comunidades inteiras, como Dhaka, em Bangladesh. O rio Buringa, um dos principais de Dhaka, foi considera em 2013, pelo Instituto Blacksmith, como uma das 10 ameaças tóxicas do mundo (segundo o site maravilhoso, Modefica). Além disso, ainda há a terrível crueldade contra os animais que são usados na confecção da camurça comum. 

 


         Por isso marcas têm cada vez mais usado a camurça eco, que apesar de não ser de origem animal, possui a mesma aparência e utiliza menos recursos naturais e em crueldade. A matéria prima utilizada para a fabricação da microfibra desse material é o poliéster 100% reciclado reconstituído a partir de materiais pós-industriais, como o filme plástico de sucata ou outros plásticos. Dentre as camurças mais conhecidas temos a Sensuede, ultrasuede™ e a Dinâmica®.

 

          Marcas como a Puma já utilizaram o Supersuede em seus tênis, além disso, no site Chá de Mulher encontrei várias bolsas de camurça eco (não identificado qual dos tipos) e também no site de sapatos Milano

 

4. FOLHAS

 

 

 

 

          Agora vamos falar de uma nova iniciativa INCRÍVEEEEEEL, que é tão sustentável quanto as outras citadas, que são acessórios feitos com apenas: folhas. A responsável por isso é a marca Thamom London, que produz carteiras, bolsas, porta-moedas, capas para livros e necessaires

          Para fabricar essa peças, primeiro é feita a secagem das folhas, que depois são prensadas e transformadas em uma lâmina. Por último é aplicada uma substância natural, que dá o revestimento final. A coloração é feita de forma natural, o que evita a poluição de rios e não são usados nenhuma substância tóxica. 

 

O mais legal disso tudo é que a Thamom London  importa para o Brasil através do seu e-commerce.

 

5.CORTIÇA

 

 

 

          A cortiça é um material natural e sustentável retirado das cascas do sobreiro, uma espécie de carvalho da Europa. A árvore pode viver até 250 anos, e a colheita da  cortiça é feita a cada 10 anos em cada uma delas, o que permite que ela viva todo esse tempo. A colheita é feita pela comunidade local, o que permite que sustentabilidade seja também do ponto de vista econômico. 

          O material vem sendo um sucesso na moda vegan e eco-friendly por ser parecido com o couro e vir diretamente da natureza. Sua resistência e durabilidade são incríveis mesmo quando usada uma espessura fina para a fabricação das peças com a cortiça. Outros pontos importantes que garantem a sustentabilidade do material é que ele é biodegradável e reciclável!

 

          A marca Jentil de acessórios com sede em Londres é uma das opções de marcas que utilizam a cortiça em seus produtos. 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Banco de Tecido e Nosso Tecido: a moda girando

FARM e Re-Roupa: um pouco mais sobre moda circular

Moda agênero e sustentabilidade na SPFW

FashRev 2019 tem 33 atividades em Brasília

ECONOMIA CIRCULAR E MODA

1/10
Please reload