• White Facebook Icon
  • White Instagram Icon
  • White Twitter Icon
  • White YouTube Icon

© 2017 por Coletivo BSB no cabide 

AmandLa Gandhi e Elis Uchôa | bsbnocabide@gmail.com | whatsapp: + 55 61 9 9963-3057 | Brasília/DF

The Body Shop e a campanha Cruelty-Free

29 Jun 2017

        Foto: Reprodução/Divulgação

 

 

        Para quem não sabe, a The Body Shop é uma das primeiras lojas internacionais a não testarem seus produtos em animais, e desde sempre se envolveram em campanhas juntamente com a Cruelty-Free International, em busca de lutar pela sua visão consciente. Portanto, a marca se considera 100% vegetariana e possuí o selo Leaping Bunny (aquele que diz se a empresa testa ou não em animais😉), inclusive foi a primeira a obter o selo, em 1997.

 

Foto: Reprodução/Divulgação

 

         A empresa só utiliza ingredientes de fornecedores que cumprem as normas Leaping Bunny e garantem que seus clientes podem ficar seguros, pois todos os seus produtos são livres de crueldade animal e possuem o selo que garante a afirmação. Assim sendo, a empresa sempre está verificando seus fornecedores e trocando quando algum deixa de seguir as normas, ou até retirando o ingrediente e reformulando o produto que o contém. Isso que é responsabilidade, né?!

 

Foto: Reprodução/Divulgação

 

         A The Body Shop, desde 1989, faz campanhas juntamente com a Cruelty Free International contra os testes de produtos de beleza em animais. Com as campanhas conseguiram em 1998 a proibição dos testes no Reino Unido. Já em 2004, fizeram em toda a União Europeia resultando, finalmente, em sua proibição total em toda a UE, em 2013.

Agora, em 2017, se juntaram mais uma vez para banir a prática em vários outros lugares do mundo, incluindo o Brasil. Essa campanha tem como objetivo atingir e influenciar a legislação de todos os 189 países da ONU, pois 80% do mundo ainda permite esse tipo de teste horrível, e o nosso país não fica de fora da lista.

 

Foto: Reprodução/Divulgação

 

         Aqui no Brasil, o processo de proibição ainda está em tramitação no Senado e segue, agora, para a Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle (CMA), para, depois, chegar ao Plenário do Senado.

 

         O texto que já foi aprovado para leitura ainda permite teste quando houver “graves preocupações em relação à segurança de um ingrediente cosmético” e for admitido pela autoridade sanitária após consulta à sociedade. Porém, a The Body Shop e a CFI querem influenciar para que em nenhuma circunstância a prática seja permitida, uma vez que existem tecnologias alternativas para testes de cosméticos, tais como a pele humana artificial (usadas na maioria dos casos).

 

Foto: Reprodução/Divulgação

 

 

 

A campanha terá duração de quase três anos:

 

#2017

Neste ano, o foco vai ser conscientizar e derrubar mitos em torno dos testes em animais e das alternativas e tecnologias disponíveis.

 

#2018

Já no ano que vem a meta será apresentar o documento às Nações Unidas e assim ser convocada uma convenção internacional sobre a proibição de teste com finalidade cosmética em animais.

 

#2019

No terceiro anos, com a ajuda da ONU, o objetivo será promover aproximação com governos e agências internacionais para criar a lei de proibição internacional.

 

 

 

         “A The Body Shop acredita que testes com animais em produtos e ingredientes são antiquados, cruéis e desnecessários. [...] Nossa expectativa é coletar mais de 200 mil assinaturas no Brasil”, explica Karina Meyer, Diretora de marketing da The Body Shop Brasil.

 

 

         Quer participar da campanha? Então pode ir a um dos 115 pontos de vendas da loja em todo o país, no site ou em suas redes sociais e assine a petição. A meta é coletar 8 milhões de assinatura no mundo inteiro, e vocês também podem postar as hashtags #ForeverAgainstAnimalTesting #ContraTesteEmAnimais, nas mídias sociais para aumentar a conscientização sobre o assunto.

 

Foto: Reprodução/Divulgação

Foto: Reprodução/Divulgação

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Banco de Tecido e Nosso Tecido: a moda girando

FARM e Re-Roupa: um pouco mais sobre moda circular

Moda agênero e sustentabilidade na SPFW

FashRev 2019 tem 33 atividades em Brasília

ECONOMIA CIRCULAR E MODA

1/10
Please reload